compressor-ar-condicionado-automotivo-sp
Compressor de Ar condicionado Automotivo SP, Novidades e Dicas Sobre Ar Condicionado Automotivo SP
24 de maio de 2018
encontre mecanicos especializados em ar condicionado automotivo sp brasil
Encontre aqui Mecânicos Especializados em Ar Condicionado Automotivo São Paulo. Dicas sobre Ar Condicionado Auto
2 de julho de 2018
Exibir tudo
ar-k2-1

GÁS DO AR CONDICIONADO TEM PRAZO DE VALIDADE?

Qualquer automóvel possui um Manual do proprietário com um plano de manutenção onde a montadora recomenda o momento da substituição de alguns componentes. Há indicação de período de troca do óleo, correias, filtros, velas… Mas e o fluido do ar condicionado? Não existe recomendação de troca?

Bem, essa informação nunca será encontrada no manual de um veículo, pois o fluido refrigerante não tem prazo de validade! É que no interior do sistema de ar condicionado o fluido sofre apenas transformações físicas, de líquido para gás, e de gás para líquido. Nesse caso, as propriedades do fluido são mantidas, eliminando a necessidade de troca.

Explicando melhor. Quando queimamos uma folha de papel o estamos transformado em cinzas. Mas das cinzas não posso obter papel. Esse é um exemplo de transformação química, onde as características de um material são alteradas permanentemente. Já numa transformação física, essas características e propriedades são mantidas. A água, por exemplo, quando colocada no congelador muda do estado líquido para sólido. Mas continua sendo água. Se derretermos o gelo obtemos novamente água no estado líquido.

E é exatamente isso que ocorre como o fluido refrigerante. Dependendo da pressão no sistema, o fluido irá se tornar líquido ou gasoso, infinitas vezes, sem alterar suas características.

Observe ainda que é incorreto chamar o fluido refrigerante de Gás, pois, como vimos o seu estado físico muda de acordo com a pressão do sistema. E, antes que alguém pergunte, apenas utilizei o termo “Gás” no título do Post por ser mais popular.

Vimos então que não há prazo para troca do fluido refrigerante. Esse período é indeterminado. Se não houver vazamentos ou contaminação do fluido, pode ter certeza que irá durar mais que o próprio veículo !! Porém, é recomendado, ao menos uma vez ao ano, reciclar o “gás” para eliminar umidade e impurezas do sistema.

.

COMO FUNCIONA O AR CONDICIONADO VEICULAR ?

Neste Post vamos explicar o funcionamento de um ar condicionado veicular partindo do princípio de que o fluido refrigerante utilizado apresenta características físico-químicas específicas, tendo sua aplicação limitada a sistemas de refrigeração e climatização. Esse fluido, erroneamente chamado de gás, muda de estado físico, passando do estado gasoso para líquido e do líquido para o gasoso, de acordo com as condições de pressão e temperatura do sistema. Atualmente, utiliza-se o fluido refrigerante R134-A tido como ecológico por não afetar a camada de ozônio, em substituição ao fluido R12.

Para que o fluido circule pelo sistema é necessário utilizar um compressor. Esse dispositivo está fixado por um suporte ao lado do motor e ligado a ele através de um sistema de polia e correia. Uma vez acionado, o compressor gera uma diferença de pressão no sistema aspirando e comprimindo o fluido constantemente, elevando sua temperatura e pressão.

Após a compressão, o fluido ainda no estado gasoso, é direcionado através de tubulações de alumínio para o Condensador que é uma espécie de trocador de calor localizado na dianteira do veículo, à frente do radiador do motor. Essa posição privilegiada permite uma eficaz troca térmica com o ar, retirando calor do fluido refrigerante, baixando assim sua temperatura.

Ao sair do Condensador o fluido agora no estado líquido, mas ainda sob elevada pressão, passa por um filtro chamado de “Filtro secador” cuja função é reter partículas de impureza, impedindo que as mesmas danifiquem outros componentes do sistema, além de absorver a umidade presente no fluido.

Uma vez limpo, o fluido, ainda líquido, é direcionado para a válvula de expansão onde ocorre uma brusca variação de pressão e conseqüente queda de temperatura. Essa condição, conhecida como expansão, transforma o fluido em gotículas microscópicas semelhante a névoa de perfume exalada por um desodorante spray.

Dentro do evaporador essa névoa de fluido circula por um caminho tortuoso, formado por pequenos tubos de alumínio curvado. Nesse momento o ventilador do painel do veículo lança uma massa de ar que foi retirada do habitáculo ou do ambiente externo. O ar, por estar mais quente que o fluido, sede parte do seu calor e umidade, transformando o fluido novamente em gás.

É essa massa de ar, que ao fornecer calor ao fluido, sai dos dutos de ventilação, refrigerando o interior do veículo.

DIMINUIR A VELOCIDADE DO AR CONDICIONADO REDUZ O CONSUMO?

 

O tema do Post de hoje pode não parecer tão interessante, mas experimente levantar o assunto numa roda de amigos para surgirem as mais diversas teorias. Digo isso porque tenho percebido a algum tempo que muitos motoristas dirigem seus carros, mesmo em dias quentes, com o seletor do ar condicionado na posição “ 1 “ ou “ 2 “. – “É pra economizar combustível” – diz a maioria!!

Nós motoristas sempre associarmos velocidade a consumo. Quanto mais rápido o carro anda, maior será o consumo de combustível. Até aí tudo bem, mas não há relação direta da velocidade do ar condicionado com o consumo. Para o motor é indiferente se você mantém o botão na posição “4” ou na posição “ 1 “.

Explicando melhor, o seletor de velocidade do ar condicionado define apenas a rotação do ventilador da caixa de ar, ou seja, quanto maior a velocidade do ventilador maior o fluxo de ar saindo pelas aletas de ventilação. Portanto, a velocidade do ventilador em nada interfere no consumo.

O aumento do consumo de combustível está diretamente relacionado ao acionamento do compressor do ar condicionado. Uma vez ligado, o sistema aumenta um pouco o consumo de combustível por exigir um esforço maior do motor.

Algumas pessoas defendem a afirmação de que quanto maior a velocidade do ventilador maior a corrente elétrica gerada pelo alternador. Daí o aumento no consumo de combustível. Devo admitir que o raciocínio está correto, mas temos que levar em consideração que o aumento do consumo de corrente elétrica para acionar o ventilador é tão pequeno que pode ser considerada desprezível, não influenciando em nada no consumo.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *